Tratamento de placa de carótida por angioplastia

O que é placa de carótida?

É um acúmulo de gordura nas paredes das artérias que irrigam o cérebro, podendo causar estreitamentos importantes que são chamados de estenoses de carótidas.

Qual o risco das estenoses (estreitamentos) de carótidas?

Estes estreitamentos (estenoses) nas artérias que irrigam o cérebro, quando importantes, ou seja, acima de 50%, podem causar derrames, porém este risco é mais acentuado quando as estenoses são acima de 70%. Estes derrames são chamados de acidente vascular cerebral isquêmico (AVCi), pois ocorre bloqueio de fluxo de sangue para uma parte do cérebro.

Quais são os sintomas esperados enquanto as placas progridem?

O crescimento das placas é silencioso, não causando qualquer sintoma. O primeiro sintoma ocorre com a embolização (deslocamento de placas ou micro trombos para o cérebro). O quadro clínico é de derrame maior ou menor, com paralisia total ou parcial de um dos lados do corpo na maioria das vezes. Algumas vezes a paralisia pode ser temporária, durando menos que 24 horas. Nestes casos o quadro é chamado de acidente vascular isquêmico transitório (AIT), pois após 24 horas não fica nenhuma seqüela de derrame.

O que fazer para estabilizar ou regredir as placas de carótidas?

É preciso controlar rigorosamente os fatores de risco como o diabetes melitus, a hipertensão arterial, o colesterol e o triglicérides, e controlar outras doenças metabólicas como a tireóide. Fazer atividade física regular apropriada para condição clínica do paciente e parar de fumar se o paciente for tabagista.

Além disso, o uso de estatinas em doses maiores pode estar indicada. Conforme cada caso tentamos manter o LDL colesterol abaixo de 70. O uso de antiagregantes plaquetários como AAS infantil ou clopidogrel, por exemplo, entre outros medicamentos, também é importante.

Com todo este esforço estamos falando em estabilizar as placas ou diminuir a sua velocidade de crescimento. A regressão de placa pode acontecer, porém não é o esperado de forma geral.

O que fazer se descobri o problema e as placas já são significativas ou se apesar do tratamento as placas crescerem muito?

É preciso definir primeiro se o paciente é sintomático (com sintomas) ou assintomático ( sem sintomas). Todos os pacientes sintomáticos com estenoses de carótidas acima de 50% devem ser tratados cirurgicamente (cirurgia aberta ou angioplastia). Ou seja, se apresentou sintomas de derrame (acidente vascular cerebral isquêmico ou acidente vascular cerebral isquêmico transitório) de qualquer intensidade.

Se o paciente é assintomático, todas as estenoses acima de 70% devem ser tratadas cirurgicamente (cirurgia aberta ou angioplastia).

Qual é a diferença da cirurgia aberta ou convencional da angioplastia de carótida?

A cirurgia aberta é feita no nosso serviço através de anestesia geral e um corte de aproximadamente 6 a 8 cm na região cervical direito ou esquerda, conforme a localização da estenose de carótida.

Após a abertura da artéria e a retirada da placa, é feito uma sutura para fechar novamente a carótida. Este procedimento demora em torno de 1 hora e ½.

A angioplastia consiste na dilatação do estreitamento na carótida com colocação de um stent após posicionamento de um filtro de proteção cerebral (para evitar o deslocamento de placas e trombos para o cérebro).

Este procedimento, considerado minimamente invasivo, é feito com anestesia local, através de punção da artéria femoral na virilha, com pequeno corte de aproximadamente 3mm. É realizado, em média, em 1 hora.

Nos dois procedimentos, o paciente fica internado uma noite na UTI e um dia no apartamento, recebendo alta em seguida.

Angioplastia ou cirurgia aberta?

Nós avaliamos os riscos de cada paciente de forma diferenciada considerando os riscos da anestesia geral, a anatomia do pescoço (pescoço curto ou não), presença ou não de cirurgia anterior ou radioterapia no pescoço,  estudo da anatomia vascular prévia identificando as tortuosidades, grau de estenose e a presença ou não de trombos locais.

Por exemplo: pacientes com doenças pulmonares e cardíacas importantes optamos por angioplastia. Nos pacientes com artérias muito tortuosas e estenoses muito críticas onde o risco do cateterismo aumenta optamos por cirurgia aberta.

Dessa forma optamos pelo procedimento de menor risco para cada paciente.

Quais são os riscos dos procedimentos cirúrgicos?

Existe risco de derrame tanto na cirurgia aberta quanto na angioplastia. O procedimento cirúrgico (angioplastia ou cirurgia aberta) somente é realizado quando o risco dos procedimentos é menor que o risco do tratamento clínico (com medicamentos).

Na cirurgia aberta acrescentamos riscos relacionados à anestesia geral e possíveis sangramentos pós operatórios, podendo haver necessidade de reintervenção.

Na angioplastia acrescentamos riscos relacionados ao local de punção na artéria femoral como hematomas locais, podendo haver necessidade de intervenção cirúrgica para tratar o hematomas ou psudoaneurisma (falso aneurisma) na virilha.


Cirurgião Vascular - CRM 8126
- Médico do setor de Angiorradiologia, cirurgia endovascular e embolizações do Centro Goiano de Cateterismo.
- Professor de especialização de Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular do Hospital das Clínicas de Goiânia.
- Membro do Departamento de Angiologia e Cirurgia Vascular do Hospital das Clínicas.
- Coordenador do Departamento de Cirurgia Vascular da Santa Casa de Anápolis.